Começou a revolução

Vi no Digital Midia Universe que a Quanta vai de fato vender laptops baseados no X0 por 200 dólares. Sim, isso mesmo: logo logo você vai poder, por 200 doletas, comprar um computador que não é uma maravilha mas que permite que você, entre outras coisas, acesse a web, edite textos, escute música e por aí vai.

Eu, da minha parte, olho esse equipamento e penso logo em ebooks.

Pois é, já parou para pensar? É um computador com baixo consumo de energia, com uma tela com resolução que permite tal uso. É de se pensar quantas pessoas vão comprar esse bichinho aí e usar ele para ler arquivos PDFs, sejam esses arquivos legais ou quem sabe ilegais. Não quero dizer nada, mas fosse eu dono de alguma editora ia começar a me coçar para disponibilizar meu acervo por um preço baixo (afinal qual é o custo total de um livro em PDF, levando em conta que não há gastos com impressão nem com distribuição? Ou seja: pode-se vender por um preço bem mais baixo e ainda ser lucrativo) antes que alguém disponibilize o livro na rede de graça para todos…

Quem lê tanta notícia?

Um dos meus grandes problemas é a dispersão. É normal eu acessar a web para ver uma notícia e sair clicando aqui e ali vendo mais coisas interessantes e deixar de lado o que é realmente importante, o que precisa ser feito. E quando eu comecei a usar o RSS essa disperção diminuiu, já que eu tinha um controle maior sobre as últimas notícias que eu via além de não ser atrapalhado pelos links nas laterais dos sites.

Contudo isso foi quando eu comecei a usar feeds. Com o passar do tempo, e a proliferação do formato, o que aconteceu é que simplesmente meu leitor de feeds favorito, o Bloglines, começou a ficar inchado de feeds que eu acrescentava por achar interessante, sem, contudo, me trazer qualquer resultado no quesito “me manter informado na minha área de atuação profissional”. Ou seja: voltou a dispersão, o meu rendimento diminuiu e por aí vai.

Assim sendo a questão de semanas, motivado por esse depoimento do Ronaldo, resolvi fazer uma experiência e passei todos os feeds de caráter profissional pro Google Reader, deixando o Bloglines para os links genéricos, recreacionistas e de caráter mais pessoal. E o resultado? Bem, o que eu vi até agora é que meu rendimento profissional melhorou (espero que meu chefe concorde com essa minha afirmação). Confesso que foi um erro da minha parte não ter desde o começo separado o que era de caráter pessoal do que era “de trabalho”, de forma que eu perdia um tempo enorme não para me manter informado, mas sim para separar o que era relevante ou não. Vale lembrar: eu sou um cara dispersivo, e ver aqueles links lá dizendo “temos conteúdo novo” era um imã pro meu apontador do mouse.

Assim sendo, fica a dica: aproveitem que temos boas ferramentas de feeds na rede e usem uma para fins pessoais e outra para fins profissionais. Tal separação ajuda um bocado a evitar a dispersão natural que a Internet nos oferece.

Update: aliás, falando em dispersão, vale lembrar que multitarefa só funciona nos computadores

Carta aberta ao prefeito de São Leopoldo

Caro prefeito Ary José Vanazzi

Venho por meio desse email, na qualidade de cidadão residente em São Leopoldo, questionar o senhor acerca de uma notícia que li hoje no site do jornal O Estadão. A notícia é referente à uma norma da Anatel, onde ela liberou para as prefeituras a disponibilização do acesso à Internet de forma gratuíta usando tecnologias sem fio. A divulgação oficial por parte da Anatel está nesse link aqui.

Bem, não sei se o senhor conhece o caso da cidade de Sud Mennucci, no interior de São Paulo. Se conhece peço desculpas pela impertinência, mas se não conhece lá vai: Sud Mennucci é a primeira cidade do país a disponibilizar, para toda a população, acesso à Internet de forma gratuíita. É uma cidade pequena, de apenas 7.483 habitantes, tão pequena que não era um mercado interessante para os provedores de acesso. Assim sendo, todo acesso que a população tinha era feito pelo telefone tendo de pagar interurbano. Assim era até 2004, quando foi implementado um projeto de distribuição de pontos wireless pela cidade, o que permitiu que qualquer cidadão que comprasse uma placa compatível com a freqüência 2.4 ghz (algo em torno de 300 reais) e se cadastrasse na prefeitura (e para isso tem que estar com o IPTU em dia) tivesse acesso gratuíto.

Resultado: a cidade cresceu economicamente. Pequenas empresas que estavam praticamente ilhadas por causa dos custos telefônicos da conexão, puderam disponibilizar seus produtos através da internet, como se pode ver nesse artigo publicado pela Folha de São Paulo.

E o caso de Sud Mennucci é o primeiro, mas não o único. A prefeitura de Porto Alegre está disponibilizando pontos de rede pela cidade, começando pelo bairro Restinga, o que permitirá à população carente acessar a rede. A prefeitura de Taquari já disponibiliza tal acesso à população. Assim sendo, fica a pergunta: e São Leopoldo? Levando em conta que a cidade está se tornando um polo tecnológico, através do Polo de Informática, não é de se perguntar se não é um atrativo para atrair empresas estrangeiras para a cidade ela saber que seus funcionários terão acesso à Internet de forma barata e fácil?

Assim sendo, caro prefeito Ary José Vanazzi, venho perguntar: e porque não em São Leopoldo?

Abraços cordiais

Charles Pilger
Msn: crpilger@hotmail.com
Site: http://www.charles.pilger.com.br
“Se você acha educação cara, tente a ignorância.” – Derek Bok, ex-reitor de Harvard

Update: não, até onde eu sei o Ary Vanazzi não lê este blog. O texto acima é uma cópia do email que mandei para o gabinete da prefeitura. Assim sendo, respondo à pergunta que me fizeram agora pelo MSN: “Tá… mas tu acha que o cara vai ler isso?” :-)

E pelo sim pelo não divulguei essa informação na comunidade São Leopoldo. Espero que outras pessoas na cidade se interessem pela idéia e cobrem da prefeitura uma ação no sentido de democratizar o acesso à rede na cidade.

Quanto exagero

Vi esse fim de semana “O Diabo Veste Prada” e sei lá, mas o que foi que esse povo viu de tão especial nesse filme? Ok, é divertido, mas é aquela diversão quase sem graça, sem nada de especial. Lembrei de “Um Peixe Chamado Wanda”: uma que outra piada legal mas nada que justifique tanto auê.

Engenharia de Software

Qual é o melhor jeito de fazer alguém gostar de engenharia de software? Dê para ele fazer a manutenção de um sistema de 5 anos atrás, que foi desenvolvido com reaproveitamento de código na base do copy&paste e prazos para ontem.

Pronto. É ver isso e você começa a gostar de classes, frameworks, paradigma MVC…

Um típica cidade do interior

Jornal Panorama: Granada é arremessada sobre bingo em Taquara

O centro de Taquara presenciou na tarde desta quinta-feira 15 uma verdadeira operação de guerra para retirada de uma granada que havia sido arremessada sobre um bingo. A descoberta do artefato, de uso restrito das Forças Armadas, ocorreu ainda no final da manhã, quando o comando da Brigada Militar, em Porto Alegre, recebeu uma ligação anônima, dando conta da existência do explosivo sobre o prédio da empresa Taquara Bingo, localizado na esquina das ruas Tristão Monteiro e Júlio de Castilhos, onde anteriormente funcionava o Alpha Bingo.

Soldados da própria Brigada e do Corpo de Bombeiros do município foram até o local e comprovaram a veracidade da informação. A granada estava próxima à platibanda da cobertura, com o mecanismo de detonação parcialmente destravado. Foi preciso chamar o esquadrão antibombas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da Brigada Militar, em Porto Alegre, que acabou chegando a Taquara somente por volta das 15 horas.

Toda a área ao redor do bingo foi isolada e o trânsito desviado das quadras próximas. Três homens subiram no telhado e recolheram a granada, que foi acondicionada numa espécie de bolsa. Depois de levada ao solo, ela foi transportada no próprio carro do Gate até a Brigada Militar. Os especialistas em explosivos enterraram o artefato no centro do campo de futebol situado ao lado do quartel militar e provocaram sua explosão, caracterizada por um forte estrondo.

Segundo o comandante do esquadrão que dirigiu a operação em Taquara, a granada só não explodiu ao ser atirada sobre o bingo porque a peça de detonação não funcionou.

Pois é, vai longe o tempo em que Taquara era uma típica e sossegada cidade do interior… O que eu acho gozado é que São Leopoldo é para ser a cidade mais violenta do estado, mas nunca ouvi falar em uso de granado por aqui. Mas enfim, levando em conta que agora em abril vou passar uns dias na cidade convém eu já ir comprando um colete à prova de balas. 😀

Que doença

Sinceramente não sei de onde o Diego tira essas coisas, mas o caso é que esse tal de Mirrored, do Battles… Ok, tá certo que a banda é uma espécie de superbanda do mundo do math rock e post-hardcore, já que ela foi formada por ex-integrantes do Don Caballero (Ian Williams – guitarra) , Lynx (Dave Konopka – guitarra) e Helmet (John Stanier – bateria). Os “vocais” ficam por conta de Tyondai Braxton, que já trabalhou com o Scott Herren no Prefuse 73. Assim sendo, não é coisa assim tão difícil de ser achada, mas o caso é que é uma das coisas mais doentias que eu ouvi nos últimos tempos. Sei lá como descrever o som dos caras, talvez “math rock com King Crimson mais Talking Heads fase Remain in Light com vocais malucos pinçados do JPop”. Sim, sim, talvez assim. Mas o caso é que o som é criativo dogarai. Impressionante como ainda consegue se inventar coisas no mundo da música ainda. Duvida? Dá uma conferida no clipe de Atlas:


E já que estamos falando em música vale a pena chamar a atenção que a Viana Moog liberou duas músicas novas, que vão sair no disco que eles devem lançar ainda esse ano. Sou totalmente suspeito para falar, já que sou amigo de integrantes da banda, mas é o seguinte: Chagas Adesivas tem tudo para ser a melhor música lançada no universo pop brasileiro nesse ano de 2007. Esses dias o Cidade tinha me mostrado cinco das músicas novas, inclusive essa, mas foi numa edição pré-mixagem final. Confesso que temi por um novo Boêmia adolescente após os 30, que era um disco excelente mas com uma qualidade de som medonha, totalmente tosca. Mas não, o que está lá no MySpace mostra que os caras acertaram em cheio.

E aproveitando que falamos em MySpace, vai aí a dica: a Blanched disponibilizou lá a música Valsa #, que não vai sair no novo disco deles, o Avalanched. E porque esse nome? Por causa dessa loucura aqui. Um dia alguém ainda vai se machucar feio com essa brincadeira…

Quando você pensa que já viu de tudo…

Estadão do Norte: Absorvente confundido com feto mobiliza polícia

Absorvente repleto de sangue, enrolado em uma grande quantidade de papel, encontrado no vaso sanitário da escola Murilo Braga, na avenida Sete de Setembro, no centro de Porto Velho, foi confundido com um feto e acabou provocando a mobilização de diversos policiais militares, civis e até peritos do Instituto Médico Legal (IML), na noite de quinta-feira.
Para aumentar o embaraço dos policiais, um boletim de ocorrência ainda foi registrado e encaminhado à Delegacia de Homicídios que encaminhou o caso à Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA). A confusão só foi desfeita na manhã de ontem quando, ao desenrolar o suposto feto levado ao IML, os peritos constataram que se tratava de um absorvente.
Devido à confusão causada pelo falso feto, as aulas no colégio Murilo Braga chegaram a ser encerradas mais cedo. A direção foi avisada sobre o suposto aborto pelo vigia da escola e achou por bem liberar os alunos. Em seguida a polícia foi acionada.
Achando que realmente fosse um feto os policiais militares chamaram a perícia que colheu as evidências e, segundo consta em boletim de ocorrência, removeu o falso feto ao IML.

Pois é… Coitados dos escritores de ficção. Concorrer como com a realidade?

E a maionese?

Estava conversando com a Taila e lá pelas tantas ela me falou que, procurando por Lolita, foi parar no vídeo de uma tal de Alizèe, cantora francesa que gravou um single chamado Moi Lolita. Ela me perguntou se eu já tinha ouvido falar nela e disse que sim, dizendo que a música dela era meio chatinha, nada demais, e que fui descobrir ela por causa de um gif animado. “Como assim?”, perguntou ela, e contei: volta e meia em fóruns o pessoal colocava como avatar uma imagem de uma guria se requebrando toda, imagem essa que eu acho um tanto quanto bagaceira. Como estávamos conversando pelo telefone eu não tinha como mostrar a imagem, mas é essa aqui:


Pois é, dureza não? Bem, enfim, tanto vi as imagens que fui ver qualé que era. E a resposta veio via YouTube, onde encontrei vários clipes dela, clipes esses que mostraram o que eu já imaginava: artista mirim gostosinha treinada para chamar a atenção pela sensualidade. Além das roupas “provocantes” de muito mal gosto é interessante ver que a guria é uma versão animada da Paula Oliveira (a guria que a 2 anos atrás ficou famosa na rede por sair em todas as fotos com a mesma expressão), dançando sempre a mesma coreografia. Duvida? Dá uma olhada nesse vídeo onde pegaram várias apresentações dela:

É, eu já vi pop-star de laboratório mas essa ganha de todas. Tinha mais que virar mesmo gif animado de francês tarado. 😛

Aliás, é impressão só minha ou o trecho “Bien à mon aise” soa “E a maionese”? Será que o Cognatas ainda aceita contribuições? 😀