Festa estranha com gente esquisita

E não é que o Orkut botou uma opção de cadastro de feeds no perfiul do usuário? Quem acessar o servidor agora vai ver ali, na sua página inicial, um link Editar feeds. É entrar ali e cadastrar o feed que você quiser. Claro que eu fui lá e cadastrei o do meu blog. Com isso apareceu na página inicial um link para o blog e o resultado foi esse:


Como dá para ver eis o conteúdo dessa página aqui com a cara do Orkut. E não há nenhuma marcação de conteúdo novo, nenhuma opção de guardar o post nos meus favoritos, nada. É como se tivessem colocado lá um leitor de RSS para… sei lá prá quê! A única (pouca) vantagem que eu vejo nesse leitor de RSS aí é você ver que tipos de RSS outras pessoas vêem, só isso. No mais…

Capitalismo

Rolou essa semana um evento bastante inusitado, onde a Microsoft Brasil convidou uma série de blogueiros que falam sobre tecnologia para conhecerem o Windows Vista, além de outros produtos. Achei a coisa bem interessante, até pelos blogueiros escolhidos, que geralmente tem posições bem críticas em relação à Microsoft e que não são baba-ovos como o Baboo. Não, não vejo como uma tentativa de cooptar tais blogueiros para o lado escuro da Força ou qualquer bobagem do gênero. Se assim o fosse a Microsoft teria procurado cada um desses blogueiros em particular, faria um acordo de confidencialidade e daria um brinde (algo como um notebook com o Vista rodando) para cada um. Mas não, foi um encontro às claras, onde a empresa apresentou produtos para os blogueiros. Na verdade trataram os blogs como veículos de comunicação e (principalmente) opinião que eles são. Se tanto um blog como uma revista forem conduzidos de forma séria qual é a diferença de um artigo ser publicado tanto num como noutro? Vou achar que o Joel Spolsky escreve não é tão importante quanto o que publicado pelo Dvorak por causa da mídia? Claro que não. Aliás como não levar a sério a opinião de um cara que foi gerente de desenvolvimento do Excell?

Mas enfim, o caso é que o encontro ocorreu e foi apresentado para o Vista para o pessoal, nada muito diferente do que seria se tivessem jornalistas de publicações técnicas. A diferença é que na hora do pessoal fazer o networking é que em vez de ficar olhando crachás eles ficaram se apresentando. E dessas apresentações a que eu achei a mais legal foi a do MarioAV: “eu sou o cara que já trabalhou para a Macmania, mas hoje em dia trabalha para a revista oficial do Windows Vista“. Fiquei pensando em como isso pode dar um nó na cabeça das pessoas… :-)

Mas daí, quando percebi, estava pensando em como eu me apresentaria caso fosse convidado para um evento desses. Duvido muito que isso aconteça, já que não tenho muito o que falar sobre o Vista (possivelmente só vou botar minhas mãos numa cópia dele daqui a alguns anos, quando inventarem alguma coisa que torne meu PC de 1.2 GHz realmente obsoleto, e como atualmente ele está suprindo perfeitamente minhas necessidades…), mas enfim fiquei imaginando. Fiquei me perguntando se eu teria coragem de dizer algo como

Oi, sou usuário Microsoft que usa também Linux. Aliás como usuário Windows acho o Linux a melhor coisa que pode ter aparecido, já que tira a Microsoft da posição de conforto. Se o Firefox não tivesse aparecido quantos anos mais levaria para o Internet 6 ser atualizado?

Hmmm… não, acho que não faria uma coisa dessas. Ia ser uma atitude por demais infantil. Mas o caso é que essa “apresentação” aí sintetiza o que eu acredito: sem a concorrência dos sistemas abertos e (principalmente) do MacOS X os produtos Microsoft até evoluiriam, mas num ritmo bem mais lento. E é gozado ver como tem gente que se declara capitalista que fica torcendo pelas empresas maiores, abraçando a causa, sem parar para pensar que um monopólio é pior para a economia que qualquer regime comunista. Aliás o que é o comunismo senão um monopólio estatal? É por conta disso que eu torço para que o Linux cresça mais e mais, que o FreeBSD cresça mais e mais, que o MacOS X cresça mais e mais. Nesse crescimento quem ganha sou eu, consumidor, que a partir da concorrência vê os produtos que usa sendo melhorados.

Caindo em contradição

Tempos atrás eu fui inventar de dizer que software com o código fechado era imoral. Teve gente que chiou e eu fui procurar argumentos para justificar meu ponto de vista. Procurei durante alguns meses e nada, até que tive que jogar a toalha e afirmar que software com código fechado não era imoral. Sim, falei besteira, e tive que voltar atrás nas minhas palavras.

E não é que vejo agora que um dos advogados da Free Software Foundation inventou de falar a mesma besteira que eu? Pior ainda: ele não está reclamando do fato de um software ser distribuído com o seu código fechado, mas sim está reclamando do fato de que um software modificado para atender a demandas internas não tem tais mudanças divulgadas. Com isso ele está indo contra a própria GPL, que especifica na cláusula 2:

Portanto, esta cláusula não tem a intenção de reivindicar direitos ou contestar seus direitos sobre uma obra escrita inteiramente por você; a intenção é, antes, de exercer o direito de controlar a distribuição de obras derivadas ou obras coletivas baseadas no Programa.

Oras, o Google, ou o Yahoo!, ou qualquer outra grande empresa que adota um software livre e customiza ele não tem qualquer dever de deixar essas mudanças à vista. Isso configura muitas vezes o diferencial competitivo do negócio, de forma que revelar tais segredos tiram sua vantagem em relação aos concorrentes. E ficar argumentando que tais empresas “têm responsabilidades éticas e morais de retornar pelo menos as modificações que são críticas ao seu negócio e que têm valor à comunidade” é algo sem sentido. Mas o pior é o que é dito logo em seguida: “Veremos com o tempo se serão necessárias medidas adicionais para garantir colaboração na comunidade”.

Opa! Desculpe, mas eu entendi direito? Quer dizer que estão pretendendo fazer com que em futuras versões da GPL, ao se modificar um software livre, essa modificação tenha que ser liberada? Quer dizer que se uma empresa pega, por exemplo, um sistema de ERP livre e modifica ele para atender à necessidades da empresa essas modificações tem que ser “devolvidas à comunidade”? Oras, isso não é somente ridículo, mas abusivo, pois justamente contesta os direitos sobre a obra, caindo em contradição com o que a segunda cláusula diz.

Por favor, alguém me diz o que diabos esse pessoal da FSF coloca no chá deles, para ficar fazendo viagens desse tipo…

Domingueira

Se nesse domingo você estiver em Porto Alegre sem nada para fazer de noite eis aí um programa interessante: a Pecha Kucha Night Porto Alegre.


A idéia é a seguinte: uma série de apresentações curtas, com um tempo limite de 6 minutos e 40 segundos, envolvendo música, poesia, artes e por aí vai. E são no máximo 14 apresentações, começando, sempre que possível, às 20h20min.

Não irei, já que é meio contramão por ser domingo de noite, mas que dá vontade dá…

É rir para não chorar

Pois é, a questão de pouco mais de 6 meses tivemos aqui no Rio dos Sinos uma das maiores tragédias ambientais da história do Rio Grande do Sul. E eis que agora vejo o site da prefeitura e o que eu vejo? Isso:

Prefeito de São Leopoldo recebe prêmio por programa ambiental
terça-feira, 22 de maio de 200711:45

O prefeito Ary Vanazzi vai a Brasília no dia 23 de maio, para receber um prêmio pelo Programa de Gestão Ambiental e Saneamento Básico. Vanazzi será agraciado com o troféu e certificado do Mérito Municipalista, prêmio concedido pela Associação Brasileira dos Municípios aos prefeitos por programas escolhidos de vários municípios. A premiação será entregue durante o II Seminário Internacional de Federalismo e Desenvolvimento, que iniciou no dia 22 e segue até 25 de maio.

Desculpa, mas tem alguma coisa errada aí… Sou só eu que acho que se esse programa fosse tão bom a ponto de receber prêmio a mortandade dos peixes não teria ocorrido?

Mióóóóóólos!!!!

Pois é, tem projeto de lei que volta das tumbas… O bom é que dessa vez não tem visita do Papa para distrair as pessoas, como foi o caso do aumento do salário dos deputados.

Update I: o Marcelo Träsel fez um post explicando porque o projeto, mesmo sem a questão da identificação dos usuários, é absurdo. Leitura obrigatória.

Update II: foi divulgada na lista PSL-Brasil que “acaba de ser divulgada a pauta da reunião da CCJ de amanhã. Pasmem: a análise e *votação* do substitutivo foi incluída na pauta de última hora. Basta conferir a pauta no site do Senado.”

Fim de uma era

Pois é, eis que a BrasNET acabou. Eu, da minha parte, não deveria sentir muita falta, porque faz tempo que não tenho o Pirch instalado na minha máquina e faz tempo que não uso mais o nick CowboyBebop. Aliás, antes desse nick eu tinha um outro, o Tuddy, que era o apelido que eu tinha até uns 7 anos de idade. Mas enfim, divago. O caso é que até 1998 eu costumava usar bastante o IRC, e não foi nem uma nem duas pessoas legais que eu conheci lá, mas sim uma galera. Contudo, com o tempo, fui me afastando do serviço, justamente por causa das brigas entre redes, os constantes problemas técnicos, a burrice dos hackers wannabe, e por aí vai.

Mas nem por isso deixo de ficar triste com essa notícia da morte da BrasNET… É mais um exemplo de uma idéia legal que foi por água abaixo por causa do uso irresponsável da rede feito por certas pessoas. Profundamente lamentável isso.

Na forma de um recorte xerocado

Pois é, agora em abril andei passando uns dias de férias e fui lá para a casa dos meus pais, em Taquara. E das prateleiras de livros largados lá no quarto do fundo, que ficam juntos com coisas como edições das Seleções da década de 80, edições da revista Realidade e por aí vai, acabei desenterrando três livros do A. J. Lucas Camargo.

Se você ou um parente (meu caso) trabalhava no Banco do Brasil durante os anos 70 possivelmente você teve acesso a um desses livros. O Lucas Camargo era mais um dos membros do clube Bancários Que Escrevem S.A., que tinha por patrono o grande Stanislaw Ponte Preta (ou Sérgio Porto, se preferirem) e que acabaram legando para a literatura brasileira alguns bons momentos (ok, vi alguns terríveis também…). No final das contas esses livros eram comprados por colegas do banco e dali não saiam. Meu próprio pai comprou sem ler direito, mais por coleguismo do que por qualquer coisa. Sorte minha, pois no fim das contas tive contato com essas pequenas pérolas do humor (com especial destaque para o humor bancário), que foram “Todos para o banheiro e outras histórias”, “Alteza, isso é uma baixeza!” e “O preguicista”.

E foi de “Todos para o banheiro…” que eu catei a história O fundo do poço. É interessante ver que o autor do livro deu espaço para o amigo Delacir Mazzini dar um depoimento sobre como um conto que ele escreveu, da sua publicação original, circulou até aparecer na revista Visão e a sua incorporação ao inconsciente coletivo da época:

Circularam desse número do Satel-Jornal 20.000 exemplares, e a historinha seguiu seu destino. Por ter sido publicada em ocasião muito oportuna, foi reproduzida muitas vezes, e recortes dela circularam por aí.

Um dia ela apareceu numa coluna da revista Visão. Só que o redator da revista não mencionou a fonte. A historinha chegara às suas mãos em forma de recorte xerografado. Não foi mencionado o nome da Belgo Mineira, que o redator preferiu chamar de “dica de corretor”. E acrescentou mais algumas coisas por conta própria.

De qualquer forma, pelo menos mais de 100.000 pessoas tomaram conhecimento da historinha, que já agora, depois de circular por coretoras, financeiras e escritórios, passara a pertencer ao folclore do mercado de ações.

Naturalmente, chegou também ao público em geral, com distorções curiosas. Um dia por exemplo, um motorista de taxi me contou, como sendo fato verídico, a notíca de que um investidor, enlouquecido por ter ficado na miséria, tinha atirado o corretor pela janela do 15º andar… E acrescentou:

– Eu tive vontade de fazer a mesma coisa com o meu corretor. Naquele negócio de ações perdi um terreno que eu tinha em São Miguel Paulista, meu único patrimônio.

Como se pode ver essa história de uma estória ser apropriada pelo povo não é de hoje. Quando se fala de que um texto na Internet acaba sendo repassado adiante sem critérios quanto à autoria, com algumas mudanças e com ela fazendo parte da vida de algumas pessoas eu me lembro dessa história aí. Se a gente for ver a história não é nada genial, é sim uma boa crônica daqueles dias de euforia e desespero mas nada além disso.

E ela caiu na boca do povo.

Assim, se você de repente ver um texto seu ou de um amigo se tornando uma corrente via email, dê um soriso. É sinal de que o texto caiu no gosto popular. E se botaram o texto como sendo de autoria do Veríssimo ou do Jabor melhor. Tem elogio maior para um autor do que mostrar para ele que a sua obra merece ser escrito por um escrito famoso e não por um mero desconhecido?

Isso dá uns 92km²s…

Prefeitura de São Leopoldo: Prefeitura promove a inclusão digital com a infovia de São Leopoldo

A Administração Popular criou a infovia de São Leopoldo, um sistema que poderá disponibilizar serviços de acesso à internet para a sociedade, promovendo a inclusão social. A infovia municipal é uma rede própria de comunicação de dados e voz, utilizando tecnologia sem fio no âmbito do município. Será uma das maiores infovias do Rio Grande do Sul, abrangendo 90% do território da cidade. O lançamento da infovia municipal será no dia 9 de maio, às 16h, no Salão Nobre da Prefeitura, que fica na Praça Tiradentes, 119.

A rede própria interliga as unidades da administração direta e indireta, melhorando a comunicação interna e a qualidade dos serviços prestados à população. Com a nova estrutura, o governo municipal economizará mais de R$ 30 mil mensais com a desativação dos recursos contratados com operadoras de telefonia.

Facilidades

A infovia promove a democratização dos meios de comunicação, oferecendo a possibilidade de levar acesso à internet aos bairros que ainda não tem banda larga. Também proporcionará a realização de videoconferências; educação a distância nas escolas e centros comunitários; biblioteca digital; além de possibilitar a gestão municipal de processos de saúde, educação e informações geográficas.

O pacote de soluções na área de tecnologia de informação inclui a intranet, que cria um ambiente único a todos, permitindo a interlocução entre as secretarias da prefeitura.

90% ???? 😯

Bah, eu tava chateado por não ter recebido nenhuma resposta da prefeitura ao email que mandei pro prefeito mas depois dessa nem precisa!

FANTÁSTICO! 😀

Agora é esperar para ver como é que se faz para acessar, se tem que se cadastrar na prefeitura, se tem que pagar alguma mensalidade ou se basta estar com o IPTU pago, etc…